quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Long Neck


Antes da década de 90 a loira predileta era consumida apenas em garrafas retornáveis de 600 ml ou lata.

Na night era assim: garrafa de 600ml, lata ou chopp, sempre muito raro em Salvador, e tudo rolando nas mesas (ou em volta delas...).
As pequenas garrafas existiam, mas eram de origem importada. Naquela época rolavam por aqui algumas preciosidades, que hoje raramente são encontradas fora de lojas com uma boa seção de importados. Entre as espécies em extinção: Carlsberg, Corona, Heineken, Sol (nem próximo da disponível atualmente), Tecate, Budweiser, Quilmes...
Exatamente no ano de 1992 a Skol lançou a sua versão long neck, para alegria geral da nação admiradora da bebida de todas as épocas e locais.
A noite foi invadida pela novidade e o consumo se ampliou rapidamente entre os adeptos do perfil garrafa na mão e boas idéias na cabeça.
De lá pra cá rolaram algumas invenções: limão na boca da garrafa, cervejas mais leves ou mais fortes, garrafas estilizadas, tampa de rosca, etc. Mas certamente uma das aplicações mais incríveis para esse modelo foi a utilização de balde com gelo para armazená-las na mesa.
Fantástico! Cerveja gelada, de rápido consumo e ao alcance da mão. Mas alguns donos de bares insensíveis ainda insistem em colocar copos para seu consumo...
Long neck é para beber no bico! Pode até colocar aquele guardanapo brega no pescoço da majestade, mas não me venham com copo. A garrafa é apropriada para o consumo diretamente na sua embalagem.
O vidro é mais grosso do que o do copo, ou seja, a troca de calor é menos intensa com o calor (em alguns casos fogo) da mão e, se ela estava no balde com gelo, a embalagem está gelada e o copo, sabichão?
Por isso, mão na massa e aprecie na garrafa mesmo.
Abraço!
Tchê

Um comentário:

Mauro Souza disse...

Às vezes eu fico refletindo e imaginando como a vida dessa pequena foi (e ainda é) sofrida. Ela surgiu repentinamente, sem avisar e comeu o pão que o diabo amassou:
1- Ninguém chamava ela pelo seu nome correto. "Eu quero uma longuenete!!"
2- Por ser uma garrafa não retornável, vários babacas assassinavam estas ampolinhas as arremessando pela janela do carro.
3- Mesmo tendo tampinha de rosca, muita gente deferia golpes sanguinolentos com o abridor!

Mas atualmente ela reina soberana nos restaurantes, muitos bares e principalemente nas geladeiras das lojas de conveniência!

Te amo "long neck"!
Beijo me liga!!