segunda-feira, 9 de março de 2009

A Dança do Rala o Pinto

Depois de receber inúmeros elogios sobre a idéia do blog, me convenci que precisava escrever algo de impacto nessa semana, sob pena de frustrar a expectativa criada por cada um de vocês se não o fizesse.

Passei o fim de semana pensando, entre um copo e outro (e depois mais outros) sobre o que poderia causar esse impacto. Na minha visão tinha que ser algo trash... Algo que nos remetesse aos anos 90 e despertasse um pouco de constrangimento, mesmo que interior, em cada um que viveu naquela época.

Então me surgiu uma idéia: A Dança do Rala o Pinto!

Não sei se em algum tempo houve alguma coisa parecida... Hoje os mais puritanos acham absurda a Dança do Créu, assim como acharam no passado (na mesma década de 90) a dança da garrafa. Vulgar, obscena, uma baixaria!

Provavelmente os mesmos esquecem desse ícone dos anos 90 que faz o créu ou coisa que o valha parecer a dança da galinha...

Esse 'movimento cultural 'foi lançado no auge da rua do 'vai e vem' na Barra. Pra quem não conheceu a rua do 'vai e vem - e ninguém pega ninguém', também conhecida como rua do meio ou Marques de Leão, era onde o ponto de concentração da galera na niaght e simulava uma espécie de passarela do álcool em Salvador.

Os bares locais (teremos muitas postagens sobre eles, mas só para aquecer a memória: Barraroska, Aladim, Ponte de Safena, Tudo no Espeto, etc) diponibilizavam o som para o agito (sic!), alguns com som ao vivo. Os frequentadores ficavam nos bares ou circulando entre as barracas de capeta e caixas de isopor com cerveja e ligante (esse merecerá uma postagem honrosa nesse blog).

Até que um dos bares emitia através de suas caixas de som a senha: 'Vai começar! Vai começar! Vai começar! Vai começar! Vai começar! Vai começar!'

A música de Zé Paulo (onde anda esse sujeito?) começava assim e depois emendava:

E rala o pinto/E tá beleza/ Rala a bundinha/ E tá legal/ No coqueirinho/ Carrinho de mao /E mexa mais /E o boquete

Veja a letra completa em http://forum.cifraclub.terra.com.br/forum/11/135688/

O que se via a partir de então é muito difícil de se descrever... No meio da multidão abriam-se rodas de pessoas e lá no meio tinha um sem-noção (ou sem vergonha) fazendo a coreografia!

Nas reuniões familiares sempre tinha um sobrinho mais soltinho que acabava fazendo a alegria da velharada. E isso se repetia nos churrascos da faculdade, no caruru de santa bárbara, na confraternização de empresas e pasmem: nos bares da cidade!

E você ralou por aí?

Abraço!

Tchê

3 comentários:

Vania disse...

Bom, depois dessa, duvido que você consiga se superar!!! Realmente, "rala a chana no asfalto" é apenas uma imitação barata da pérola que foi "rala o pinto"!!!
E, "que atire a primeira pedra, aiaiaia..." aquele que nunca ralou!!
AMEI!!!

ffduran disse...

Tchê,
Parabéns pela matéria. Acho que nem a Wanda Chase se lembrava dessa dança. Eu confesso que já ralei o pinto e se não tiver alguém por perto e tocar a música, ralo de novo!!! O Zé Paulo está com um blog ainda lançando seus sucessos com disco de vinil.
Valeu Tchê!

humanas on line disse...

parabens pelo comentario. andava com muita saudade do ritmo contagiante do ralo pinto e das musicas interessantes de Zé Paulo(por onde andarás?), que fez muito sucesso no carnaval de 1992. conversando com um amigo sobre esse cantor resolvi procura-lo na internet e veja o q encontrei. Ele canta a música con a seguinte frase( agente não pode comer arroz, agente não pode comer feijão..... SOU F JOSE DO CEARÁ.