segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

O BAxVI de Raudinei


A atual fase do Tricolor de Aço nos traz lembranças inesquecíveis da década de 90. Uma década dominada pelo rival, mas marcada por um jogo: decisão do campeonato baiano de 1994.

O jogo foi realizado na saudosa e eterna Fonte Nova. 10 mil Pituaçu's não poderiam ser comparados à boa e velha Fonte... Infelizmente marcada nessa década por uma tragédia que insiste em não sair da lembrança. Aqui, nossa eterna solidariedade aos familiares dos tricolores que nos deixaram naquele dia.

Mas voltemos ao foco! Que jogo! Que adrenalina! Que festa!! Lembro daquele dia como se fosse o jogo do fim de semana passado...

Naquele dia nem fomos pra praia. Era concentração total e a velha dor de barriga de final de campeonato tinha começado na 5a feira anterior à final. PQP! Não se falou em outra coisa na cidade naquela semana. Lembro que o almoço daquele domingo foi pontualmente 1/2 dia. Nem consegui comer direito... Precisava logo de uma gelada na Kombi do Reggae e até corri o risco num churrasquinho cheio de óleo e colorau.

A galera tava insana naquele dia. Alguma coisa me dizia que aquele dia ia ser de festa, mas o vice tinha um time arrumado, acho até que tecnicamente era melhor que o nosso e com certeza o ataque era a arma forte dos 2 times. Veja:

Bahia: Uéslei, Zé Roberto e Marcelo Ramos
Vice: Alex Alves, Dão e Pichetti

O público era de 97.200 pagantes!!! A torcida tricolor era de 70% do estádio, o que se pressupõe que todos os torcedores do vice existentes no planeta estavam lá.

O Bahia chegou na final com a vantagem do empate. O jogo era duríssimo o rival ganhava de 1 x 0 com gol de Dão aos 44 min do 1º tempo. A torcida rival fazia festa gritando ser campeão e calando a imensa maioria tricolor durante o intervalo e todo o 2º tempo. O jogo se aproximava do final aos 40 min do 2º tempo quando o gordinho, tricolor doente que deve sofrer de saudade em SP onde mora hoje, com os olhos cheio de lágrima me disse:

'-Cara, vâmo nessa. Fudeu...'

Nós começamos a descer da superior quando me veio aquela sensação sentida anteriormente na Kombi do Reggae que me fez disparar:

'- O jogo só acaba quando o juiz apita!'

Não dava mais pra voltar para superior, não esqueça eram 97 mil naquele dia!!, então resolvemos descer e nos penduramos no camarote (quem foi que chamou aquilo de camarote??!?), um curral de cerca de arame, quando Raudinei - o predestinado- fez falta em Dourado e o tempo fechou completamente no campo. Tava ficando bom!

Depois da confusão o jogo segue e aos 46 min do 2º tempo... 'quando a bola sobra para o goleiro Jean na intermediária defensiva. Ele chuta para frente. O zagueiro tricolor “Advaldo NBA” disputa pelo alto, leva a melhor, a bola vai para frente e quica. Ela sobra para Souza. O volante dá outro toque de cabeça e acha Raudinei na área. O atacante emenda de primeira, com a perna esquerda, e a bola passa por baixo do corpo do goleiro Roger, estufando as redes' - Do site oficial http://www.esporteclubebahia.com.br/

Eu não sabia se pulava, empurrava a montanha de peludo querendo me abraçar, limpava a cerveja que me acertaram na comemoração ou ria dos policiais que corriam desatinados da frente da torcida do rival para a frente da torcida do Bahia...

Depois disso não vi mais nada, ou melhor, não me lembro de mais nada. A comemoração se estendeu pelas redondezas da Fonte até a Barra, para onde partimos andando... Sim, andando! Era um mar de gente pelo 'circuito' Dique - Centenário - Orla - Farol.

Que saudade da FONTE!! Será que os bons tempos estão voltando...?

Bora BAÊA!!

Abraço!

Tchê

3 comentários:

Vania disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vania disse...

Eu não estive na Fonte no dia desse jogo, mas a maravilhosa descrição que TChê fez da partida me proporcionou todas as emoções que sentimos quando estamos no meio da BAMOR!!!
"Que coisa linda que é uma partida de futebol"
Beijos

ricmottas disse...

Muito legal!!! Deu pra arrepiar!!
Que saudade da Fonte da amizade heim? parabéns Tche, e que venha o Pituaço!!
Abraço